Coisas simples, de importância e interesse muito, muito relativos mas boas para "descomprimir".

Coisas de interesse muito relativo, que vou escrevendo,



quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Escrever?

Escrever?


Preciso escrever
Algo que tenha a ver
Com o que sinto agora
Mas não consigo.

Não sei o que se passa comigo
Mas não sinto nada,
Estou vazio por dentro
Completamente vazio.

Atropelam-se os sentimentos
Misturam-se as sensações
Num misto de quente e frio
Que não posso explicar

Vários momentos
Múltiplas ilusões
Coisas dispersas
Silêncios e conversas
Coisas boas e contratempos

Já se está a ver:

Que posso eu escrever?


08.03.2017

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Que te digo?

Que te digo?


Que te digo, meu Amor,
Hoje neste dia quatro?

Repito sem descanso
Que a dor
Que sinto tão viva que dói,
É bem-vinda porque se me faz sofrer
Numa espécie de pressão que mói
De dentro para fora do meu peito
Todos os desejos e saudades
Deixando-me descansado e em paz
Pelo bem que me faz.

Pede por mim,
Não te esqueças,
Que sou fraco e pouca coisa,
Para que, com ou sem dor,
Saiba como merecer
Esta vida que tenho de viver
E porque o Senhor assim o quer
É de certeza a melhor.

04.03.2017

domingo, 10 de dezembro de 2017

HGSA

HGSA


Sussurram segredos íntimos
Que sem querer tomo nota,
Coisas normais, dinheiros, amores,
Discussões familiares
É não só!

Que tenho eu a ver com isto?

Faço parte de uma audiência
Que pretendem não existir
Ou desejam que exista,
Não sei.

Na enfermaria do hospital
Participa-se, mesmo que não se queira
No ambiente envolvente, dormente
Xatíssimo!

Viste a Kátia?

(Sei lá quem é...)

Não mas vi a Sandra.

(Também não sei quem é.)


E da forma como estou,
Quando chega a noite,
Já nem eu sei quem sou.



HGSA, 01.03.2017

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Hospital

Hospital

E, hoje, escrevo?
para quê?

Porque estou no hospital
Já reciclado
Tratado arrumado!

Que tem de mais?
Que há a acrescentar?

Ah! Tem pois claro que tem:

Que correu tudo bem
Com seria de esperar.


26.02.2017

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Ilusões

Ilusões

Sou, sinto-me um ilusionista
Sempre em palco actuando
Como se fosse quando
Era bem-visto e aplaudido.

(E fui… algumas vezes…)

Agarro-me ao que não tenho
Desperdiço o que possuo
E, assim, passando, vou andando
Sem audiência ou amuo
Sigo e vou sonhando.

Ilusionista?
Sim, é o que gosto de ser,
Para o que sinto ter “jeito”
E. embora contrafeito,
Insisto na “performance”.

Pode ser que algum dia
Tenha o que no casino se chama “chance”
Ou ganhe na lotaria
O que não espero, mas desejo:

Ter um “bom dia”
Um ensejo
De fazer o que queria
Se tal acontecesse.

Venha o que vier,
Aconteça o que acontecer,
A “coisa” está mais que vista:

Serei sempre um ilusionista!


22.02.2017

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Agonia

Agonia


Na pseudo agonia da noite
Espero que me falem.
Espero sempre, porque, eu
Sou importante!

É, eu falo, telefono...

Ah! Não quero incomodar!

Falso e mentiroso!

Se falo é porque sinto obrigação
Se não falo
É porque pretendo ser forte
Como o aço
E, se me desfaço
É porque não sei, a sério, não
O que tenho (é que muitos chamam sorte)
De ter sempre quem me fale.

De que vale
Um lamento,
(sem razão de ser, aliás)
Se, num momento
Tudo me satisfaz?

Eu... Este pobre homem que sou
Vivo de chamadas
Ligações e outras coisas!

É pouco,
Tristemente pouco

Nem sei avaliar o bem que tenho
A felicidade que usufruo
Desejaria ser mais simples e puro
Agradecido e contente
Porque, afinal, tanta gente,
Muitos dos quais nem aturo,
Me diz simplesmente, com voz de amigo:
O que for preciso, conta comigo.


22.02.2017

sábado, 2 de dezembro de 2017

Felicidade

Felicidade

Será, talvez, veleidade
E não impossível:

Para mim, a felicidade
É coisa simples e acessível:

Se os meus, que Deus me deu
Forem felizes
Assim o serei eul


18.02.2017

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Um de Dezembro!

Resultado de imagem para defenestraçãoUm de Dezembro

Talvez que poucos saibam que em 1 de Dezembro de 1640 aconteceu algo que ficou conhecido por "Defenestração".

Um traidor - da Pátria e do povo - foi atirado pela janela para a rua, para o meio do povo.

Um traidor não é apenas quem pratica actos contra a Pátria ou o povo.
Um traidor é quem age contra a confiança que outros depositaram nele.

Hoje não se atiram estes sujeitos para a rua. Não!

Hoje nomeiam-se comissões de inquérito, advogados, toda uma panóplia infindável de gente para expandir sobre o caso.

Deixemos as coisas correrem os meses ou anos que este moderno e democrático sistema propõe, e talvez, um dia qualquer, algum "revolucionário", dê um valente murro na mesa do poder e declare definitivamente:

Vamos acabar com isto!

Não estamos em democracia?

Então o povo que resolva: atira-se este gajo pela janela e prontos!


01.12.2017

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Planeamento

Planeamento

Tenho um plano, um esquema
Seja qual for o sistema
Que tenha de suportar.

E aqui está o meu teorema:

Viver é sonhar.

E venha o que vier
VIVER!

15.02.2017

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Contentamento

Contentamento

Estranhamente
Ou talvez não
Estou contente.

Porquê?

Não sei bem!

Talvez haja confusão
E esteja triste.

Não!

Já sei porque estou contente:

Porque estou vivo realmente
Não me arrasto como um condenado
Mas vivo o minuto que me é dado
Como o maior bem
Que posso desejar.

O Senhor é que sabe, costumo dizer
Porque, eu, que posso merecer?

Não sei,
Mas sei que devo
Agradecer.


15.02.2017

domingo, 26 de novembro de 2017

Jantar

Jantar


Acabei de jantar.

Sozinho?

Não, que disparate!

Estavam aqui todos
As filhas
Os netos
E, claro, tu Fernandinha!

Foi um jantar especial
Porque estivemos todos juntos
E, digo isto porque é uma verdade
Essencial.

Mais unidos que nunca.

Jantar sozinho?

Nem pensar!

Estou sempre acompanhado
Custe o que custar!


12.02.2017

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Lágrimas tontas

Lágrimas tontas

A lágrima que teimosamente
Insiste em cair dos meus olhos
(Talvez seja do vento que faz)
Não me dá sossego ou paz,
Nem rosas nem abrolhos.

Porquê, Senhor, me fizeste um chorão
E por tudo e por nada
Atiro-me ao chão
Com a cara molhada?

Não sei, nem quero saber
Choro e… pronto!

Depois, sim, depois logo se vê
Como acaba a patetice:

Se acaba como começou,
Uma completa tolice,
Ou se, descubro outra maneira
De me castigar como sou
E me fazes a mercê
De não fazer asneira.


11.02.2017

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

O meu Bisneto

O meu Bisneto

Sentia-me leve, levezinho
Com vontade de voar
Vi no espelho reflectida
Uma imagem de espantar!

Tinha umas asas pequeninas
Que nunca tinha dado conta
E falando com os botões - os meus
(A minha pobre cabeça tonta!)
Percebi que não eram minhas
Mas as asas do Mateus!


11.02.2017

sábado, 18 de novembro de 2017

Se gostassem de mim

Se gostassem de mim  

Se gostassem de mim
Haveriam de dizer-me
Para não escrever mais,
Porque não podendo conter-me
Insisto e escrevo… e escrevo…

Se gostassem de mim
Haveriam de dizer-me
Que os meus ais
Soam a falso
Não são reais.

Se gostassem de mim…

Mas, chego à conclusão
Talvez errática a esmo
Que quem gosta de mim
Sou eu mesmo.



11.02.2017

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Andança

Andança

Nesta minha andança
Pelos caminhos da vida
Por vezes não tenho esperança
Considero-a como perdida
De encontrar o que desejo.

Não se manifesta o ensejo
De querer mais e melhor
E quase sempre é bem pior
O que consigo alcançar.

Vamos indo, vamos indo
Deixo tudo e vou partindo
Porque não posso parar.


09.02.2017

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Suor frio

Suor frio

Não sei porquê
Alaga-me um suor frio
Como se estivesse metido
Num rio
Gelado.

A meu lado
Não está ninguém
E, atrás,
Também.

Mas, estou sozinho?
Não!

Então?

Bom… este caminho
Que tento palmilhar
No dia a dia que vivo
Parece-me que não vai levar
A lado nenhum interessante
Mas, não obstante,
Prossigo
Para diante.

Sei lá se há um muro,
Um fosso, uma coisa qualquer
Que me impeça de seguir.

Nem me interessa saber
Tenho de seguir
Tenho de seguir!

Parto e fico
Afasto-me e quedo-me
Falo e calo-me
Grito e ninguém me ouve!

Mas estou mais rico
Mais – se possível - solidário
Comigo mesmo
(Se é que um solitário
Que anda a esmo
Pode sentir-se assim!)

No fim…
Para meu bem
Ou para meu mal
Tudo tem
Um final.


09.02.2017