Coisas simples, de importância e interesse muito, muito relativos mas boas para "descomprimir".

Coisas de interesse muito relativo, que vou escrevendo,



sábado, 17 de março de 2012

Notável 4

Quando Churchill fez 80 anos um repórter com menos de 30 anos foi fotografá-lo e disse:


- Sir Winston, espero fotografá-lo novamente nos seus 90 anos.


Resposta de Churchill:


- Por que não ? Você parece-me bastante saudável. 

quarta-feira, 14 de março de 2012

Notável 3

O General Montgomery estava sendo homenageado, por ter vencido Rommel na batalha de África, na IIª Guerra Mundial.


Discurso do General Montgomery:
'Não fumo, não bebo, não prevarico e sou herói '


Churchill ouviu o discurso e retrucou:


' Eu fumo, bebo, prevarico e sou chefe dele.'

segunda-feira, 12 de março de 2012

Joe

O enorme camião rodava em boa velocidade indiferente às péssimas condições atmosféricas. Um gigante que com um trailer acoplado transportava mais quarenta e cinco toneladas de metal precioso.
A neve que, batida por um vento fortíssimo, reduzia a visibilidade a poucos metros não parecia incomodar o condutor homem de forte compleição, motorista experimentado em longas viagens por paragens inóspitas absolutamente desertas em que muito raramente se cruzava com outros camiões semelhantes.
A cabina era confortável, o ar condicionado mantinha um ambiente agradável e o sistema sonoro dispunha de um equipamento de fazer inveja a muitas casas de diversão.
A última paragem fora cerca de duas horas antes e a próxima ainda demoraria, pelo menos, mais uns quarenta minutos.
Os postos de abastecimento de combustível distavam entre si cerca de 300 quilómetros que, naquelas condições, demoravam cerca de quatro horas a percorrer.
Joe trauteava a canção que o "King", como é familiarmente tratado Bruce Springsteen, debitava pelos poderosos altifalantes.
Estava bem-disposto se bem que um pouco cansado e a perspectiva da próxima paragem com uma boa refeição quente mais contribuía para essa boa disposição.
Como sempre, a sua imaginação à solta divagava por planos, quimeras, aventuras... Como se sonhasse acordado.
Assim continuou até que, mais cedo que o previsto, começou a divisar por entre a neve as luzes de várias cores que iluminavam a árvore que crescia à frente do estabelecimento e que, nesta quadra, era costume ser decorada como uma gigantesca árvore de Natal.
Era um pouco insólita aquela árvore de Natal no meio de uma região deserta mas, ao mesmo tempo transmitia um sentimento de que a civilização humana, afinal, estava presente.
Não havia nenhum veículo à vista estacionado no parque em frente do estabelecimento.
Ainda dentro da cabina vestiu um grosso casacão e colocou um gorro de lã na cabeça.
As luzes da sala de jantar-bar da estação de serviço estavam todas acesas mas não se descortinava ninguém.
Curioso, Joe entrou na enorme divisão. A gigantesca lareira só apresentava umas cinzas que ainda deitavam algum fumo.
Cada vez mais curioso Joe chamou em voz alta mas não obtendo qualquer resposta dirigiu-se atrás do balcão.
Estendidos no chão no meio de um lago de sangue estavam três corpos: Armand e Jessica, os donos do estabelecimento e Sophie a empregada que servia às mesas.
Os três apresentavam vários ferimentos provocados por projécteis e a jovem empregada tinha as mãos amarradas atrás das costas.
Aturdido, Joe dirigiu-se ao canto do balcão onde sabia estar o equipamento de rádio, único meio de comunicação possível naquele ermo.
Estava tudo destruído e as peças despedaçadas com violência.
Decidiu voltar ao camião para usar o seu próprio equipamento de rádio. As autoridades tinham de ser alertadas com urgência.

Quando Joe se soerguia uma tremenda pancada na testa prostrou-o sem acordo.

Quer mesmo conhecer o final deste extraordinário "thriller"? Então:

domingo, 11 de março de 2012

Notável 2

Convite de Bernard Shaw para Churchill: 
"Tenho o prazer e honra convidar digno primeiro-ministro para primeira apresentação minha peça Pigmaleão. 
Venha e traga um amigo, se tiver."
Bernard Shaw.

Resposta de Churchill: "Agradeço ilustre escritor o honroso convite. Infelizmente não poderei comparecer primeira apresentação. Irei à segunda, se houver."
Winston Churchill.

sábado, 10 de março de 2012

Notável 1

Einstein recebeu uma carta da miss New Orleans que lhe dizia:
" Prof. Einstein, gostaria de ter um filho seu... A minha justificativa baseia-se no facto de eu ser um modelo de beleza, e tendo um filho com o senhor certamente que o garoto teria a minha beleza e a sua inteligência".
 

Einstein respondeu:
" Querida miss New Orleans, o meu receio é que o nosso filho tenha a sua inteligência e a minha beleza.

sexta-feira, 2 de março de 2012

CSI Nabais

O raio de luz ultravioleta percorria com minúcia o lugar de onde desaparecera o corpo. Jacinto não sabia bem o que procurar.
Uma hora e meia antes, quando iniciara a investigações obtivera informações escassas e... vagas já que as explicações da dona da casa não se percebiam nem pouco nem muito.

Segundo ela, Cesaltina, a cozinheira, estava seriamente implicada no assunto. Ora esta culpava o Ambrósio só que, este, atirava com as suspeitas sobre a Santinha da Ladeira.

Os interrogatórios tinham sido inconclusivos, ainda assim, tinha apurado o seguinte:

Cesaltina a cozinheira mal disfarçava uma animosidade concreta contra a patroa. Os motivos pareciam vulgares e habituais. A cozinha era o seu 'reino' e não 'tragava' as intromissões da patroa e os 'palpites' sobre a confecção dos cozinhados.
Uma outra razão para essa animosidade, não tão 'profissional', era os atrasos no pagamento dos salários.

Tratava-se de uma situação que se vinha agravando ultimamente.
A patroa, com a mania das grandezas sempre gastara 'sem rei nem roque' e, depois da morte do marido o, conde de Nabais, continuara com os jantares e almoços a numerosas pessoas sobretudo com filhos em idade de casar com o intuito de arranjar um conveniente marido para a filha, Adélia, coitadinha, feia como um susto numa noite de tempestade [1].

Ou seja a condessa viúva apresentava uma muito vulgar situação: Um nome com catorze apelidos, um solar descomunal, e uma conta bancária de aflitiva magreza.

Os menus dos repastos exigiam cada vez mais imaginação porque da peixaria e do talho as respostas aos pedidos de fornecimentos eram:

"Venha lá o pagamento da continha e depois... a gente fala…" [2]

A situação resolveu-se subitamente já que os jantares e almoços deixaram de ter serventia quando a 'mosquinha morta' da Adélia fugiu com o desgrenhado vocalista da banda de rock que dera um espectáculo pelas festas lá da terra, espectáculo que acabara numa monumental cena de pancadaria da qual a Guarda, farta de apanhar por tabela, se absteve de participar.

Chegara à conclusão que por muitos motivos que pudesse ter a Cesaltina não era a responsável pelo desaparecimento.

Quanto ao Ambrósio também não lhe parecia que fosse o culpado porque embora, pela falta de salários, tivesse que fazer uns biscates em anúncios televisivos por conta de uma marca de chocolates, a sua devoção à viúva parecia genuína. Fazia tudo para lhe agradar tentando satisfazer os seus caprichos, sempre com uma pose e uma frase impecável: ‘Compreendo, Senhora!’.

Mas factos são factos e o que se impunha com urgência era deslindar o caso que fora encarregue de deslindar [3].
A impaciência da condessa sempre completamente viúva [4]  estava a um nível explosivo.

Ao mesmo tempo, Jau o mastim alentejano, espreguiçava-se em frente da casota que lhe servia de abrigo, refúgio, sala de estar e pied à terre. [5]

Durante dias a fio suportara o outro com os seus ares de importância, fumaças de ser 'alguém' mas, hoje de manhã acabara-se-lhe a 'finesse'.
Depois da Cesaltina lhe ter enfiado pela garganta abaixo meio quartilho de aguardente, perdera a pose, o equilíbrio e a cautela. Aos tombos passou-lhe mesmo à frente do nariz e o Jau não desperdiçou a oportunidade...

Jacinto apresentava-se orgulhoso de um mistério resolvido. Mais um a somar aos muitos da sua extraordinária carreira de investigador.

A Condessa [6] mal escondia a ansiedade.

Pois minha Senhora, expunha Jacinto, a coisa está claríssima como água...

Quer saber porque é que a coisa estava… assim… tão clara como a água? Quer?

Então clique: