Coisas simples, de importância e interesse muito, muito relativos mas boas para "descomprimir".

Coisas de interesse muito relativo, que vou escrevendo,



sábado, 16 de janeiro de 2010

Ele... há cada uma!!!

Como está? Passou bem?
Mas quem é que quer saber? respondi ao aparelhómetro.
Daqui - você não me conhece - mas eu digo-lhe o meu nome: Alfredo Simões Gato.
Ah! disse, e o que é que quer o senhor Gato?
Olhe... para já pode tratar-me por Alfi, que é como me chamam os meus amigos e, depois, desejo veementemente falar consigo sobre um assunto muito importante.
Mas ó senhor Gato, eu não sou seu amigo, aliás, nem sequer o conheço, portanto não me parece que o venha a tratar por Alfi e muito menos estou interessado no tal assunto importante que parece ter para me pôr.
Ai meu Deus, credo, que coisa! Tão brusco e mal disposto!
Oiça lá pelo menos o que tenho para lhe dizer...
Como o que no momento o que tinha para fazer era rigorosamente coisa nenhuma, respondi:
Tá bem, diga lá...
Prontos, ainda bem que a gente se entende. O assunto é o seguinte: deram-me o seu contacto como uma pessoa que está aberta a considerar a hipótese de casamento no dia de Santo António em Lisboa.
Já foi autorizado pelo Costa - o Ilustre presidente da Cãmara de Lisboa que é um querido - e o que lhe quero dizer é que eu estou livre para combinar consigo como vamos dar o nó.
Reparei que tinha a boca muitíssimo aberta e, portanto, tratei de fechá-la para dizer:
Mas ouve lá, ó meu marmanjo, mas com quem julgas que estás falar, meu?
Então... estou a falar com o Tonny... não é verdade?
Arranjei forças para responder:
Não... não estás a falar com o Tonny, meu mariconço, não quero casar contigo nem com nenhum outro fulano qualquer - I'm straight u know? - vai mas é dar uma curva e não te molhes muito senão ainda encolhes.
Antes de desligar ainda ouvi o Alfi guinchar:
Ai que bruto!

Ele há cada uma!!!