Coisas simples, de importância e interesse muito, muito relativos mas boas para "descomprimir".

Coisas de interesse muito relativo, que vou escrevendo,



quarta-feira, 30 de abril de 2008

1º de Maio

Amanhã é, dizem, o 'DIA DO TRABALHADOR' e, singularmente, neste dia, ninguém faz nenhum.
Isto é muito interessante e instrutivo e, eu, habituado que vou estando a estas 'singularidades' da 'democracia', ainda pasmo com a coisa.
Há uns anos, houve um 'esperto' que resolveu propor ao 'povo deste País' oferecer um dia de trabalho para... já não me lembro bem o quê.
Foram uns larguíssimos milhares de ferverosos trabalhadores que 'engoliram' este bem amanhado isco e vá de dar o respectivo pré para o tal 'saquinho' solidário.
Veio-se a saber que o destino do dinheirão arrecadado terá ido directamente para os bolsos do tal 'esperto'. Foi uma coisa, como dizer... interessante, porque as consequências de tal aldrabice foram exactamente nenhumas!
Disse interessante porque, na verdade, o que se passa no dia a dia no 'jardim à beira-mar plantado' é exactamente o mesmo: uma grande parte - a maioria - do pessoal esfalfa-se a trabalhar para pagar as prestações da casinha, do pópó, da máquina de lavar roupa e a de lavar loiça, da tv-cinema-em-casa, e do mais que está para aí à disposição dos carentes desses confortos, em condições muito vantajosas e absolutamente irrecusáveis.
Claro que se a coisa corre mal - e quase sempre corre péssimamente - há umas outras beneméritas organizações que oferecem créditos, dinheiros, muitos ou poucos, a pagar depressa ou devagar - à escolha do parceiro - e... já está... tapa-se o buraco abrindo um muitíssimo maior.
O que é que isto tem a ver? Tudo, tem tudo a ver!
Um tipo pode ser um teso que mal tem para comer mas, se tiver um emprego certo, isto é se for, oficialmente 'trabalhador', tem acesso garantido a estas maravilhas e... prontos, depois é só aguentar com os juros de vinte e tal... trinta por cento e viver feliz para sempre...
Conclusão triste a que chego: o melhor é não ser 'trabalhador' e viver um permanente 1º de Maio.
Assim fica-se a coberto de tantos benefícios e dorme-se um pouco mais tranquilo.